Torcedor invade jogo entre Portugal e Uruguai com bandeira do orgulho LGBTQIA+

da roleta: Um torcedor segurando uma bandeira do orgulho LGBTQIA+ e vestindo uma camiseta com mensagens em solidariedade à Ucrânia – “salve a Ucrânia” – e às mulheres iranianas – “respeitem as mulheres iranianas” – invadiu o Lusail Stadium, em Doha, no Catar, em meio ao jogo entre Portugal e Uruguai pela Copa do Mundo de 2022,.

da realsbet: A invasão ocorreu aos cinco minutos do segundo tempo. Imediatamente, a partida foi paralisada pelo árbitro Alireza Faghani, que é iraniano. A transmissão da Federação Internacional de Futebol (Fifa) também buscou não mostrar a ação do invasor.

Leia Mais

Brasil sente falta de Neymar, mas “a equipe faz a estrela”, diz Tite Técnico da Suíça lamenta “falta de sorte” após derrota para o Brasil Gol do Brasil na vitória contra a Suíça teve a assinatura do Real Madrid

Ao passar próximo do árbitro, o torcedor jogou a bandeira do orgulho LGBTQIA+ no chão. O iraniano a recolheu e a levou para fora do campo de jogo. O invasor foi contido por seguranças após tentar escapar correndo dos agentes.

No Catar, a homossexualidade pode ser punida com até três anos de prisão. Na semana passada, uma bandeira de Pernambuco chegou a ser confundida por policiais como referente à comunidade LGBTQIA+. Há outros relatos envolvendo agentes parando torcedores que utilizavam itens alusivos ao respeito pela diversidade.

A mensagem direcionada às mulheres iranianas fazia referência aos protestos que ocorrem no país nos últimos dois meses, após a morte de Mahsa Amini, de 22 anos, enquanto estava sob custódia da polícia depois de ser detida por desrespeitar as normas do governo teocrata local sobre como as mulheres devem se vestir.

A questão acabou respingando na Seleção Iraniana na Copa do Mundo, com os jogadores da equipe se recusando a cantar o hino nacional no primeiro jogo do país na Copa no Catar, contra a Inglaterra. A partida terminou em uma goleada inglesa por 6 a 2.

Por fim, a mensagem em solidariedade à Ucrânia foi uma demonstração de apoio ao país europeu em meio à Guerra Russo-Ucraniana, iniciada em fevereiro de 2022, quando forças russas invadiram o território vizinho. Por causa do conflito, a Seleção Russa foi impedida de seguir participando das Eliminatórias para a Copa no Catar.